Como faço para restaurar o .bashrc ao seu padrão? [duplicado]

46

Estou tentando instalar ferramentas de desenvolvedor do Android no Eclipse e segui as informações em este vídeo .

Como o vídeo disse, adicionei as duas linhas de código a seguir ao arquivo .bashrc :

export PATH=$(PATH):-/android-sdk/tools/
export PATH=$(PATH):-/android-sdk/platform-tools/

Parece, no entanto, que isso não me ajudou a instalar os arquivos do Android no Eclipse, pois ainda estou tendo problemas com isso. Além do mais, parece que não posso fazer nenhum comando no terminal sem ter um grande erro agora! Toda vez que tento fazer um comando no terminal, recebo a seguinte mensagem:

  

O comando não pôde ser localizado porque '/ usr / bin' não está incluído   a variável de ambiente PATH.

Está aí para restaurar .bashrc para o padrão?

    
por sarahrahrah 12.01.2014 / 17:58

4 respostas

70

Digite o seguinte no seu terminal,

/bin/cp /etc/skel/.bashrc ~/

Ele substituirá seu ~/.bashrc corrompido por um novo. Depois disso, você precisa originar o ~/.bashrc para que a mudança ocorra imediatamente, escreva no terminal,

source ~/.bashrc

ou se isso não funcionar, você pode fechar o terminal e abri-lo novamente.

    
por souravc 12.01.2014 / 18:16
7

Se você não conseguir um shell de trabalho

Por meio do navegador de arquivos

  • Abra o navegador de arquivos, vá para o diretório inicial, pressione Ctrl H para que os arquivos ocultos sejam mostrados. Edite .bashrc conforme necessário.
  • Abra o navegador de arquivos, vá para /etc/skel , pressione Ctrl H para que os arquivos ocultos sejam mostrados. Copie .bashrc para sua pasta pessoal para restaurá-lo ao padrão.

Através do menu de execução

  • Pressione Alt F2 , digite gedit .bashrc , pressione Enter . Edite conforme necessário.
  • Pressione Alt F2 , use o comando /bin/cp /etc/skel/.bashrc ~/ como indicado em resposta do souravc para restaurá-lo ao padrão.

Através do terminal

  • Abra o terminal e ignore que você não tem um shell. Vá para Editar Preferências Perfis :

  • Crie um novo perfil ou edite o perfil atual para alterar o comando:

    Use /bin/bash --norc ou /bin/bash --rcfile=/etc/skel/.bashrc .

  • Inicie uma nova guia (com o perfil personalizado, se você criou um). Use o shell de trabalho conforme necessário.
  • Exclua o perfil personalizado ou desmarque a opção de comando personalizado se você editou o perfil padrão assim que estiver pronto.

Se você tem SSH

Execute o SSH com um comando personalizado, que deve ajudá-lo a ignorar o .bashrc :

ssh -t <host> dash

O dash shell (também conhecido como /bin/sh ) é mínimo, mas suficiente para restaurar o .bashrc .

Se você não conseguir uma interface gráfica e não tiver SSH

Inicialize no modo de recuperação ( Como inicializo no modo de recuperação? ), que lhe dará um shell de root. Procure em /home pelo diretório pessoal do usuário.

    
por muru 21.06.2016 / 23:14
3

Via o TTY

Você pode inserir o TTY pressionando ctrl + alt + f1 , onde você deve fazer o login com seu nome de usuário e sua senha. ctrl + alt + f7 retornará a sua GUI depois.

Agora, copie o .bashrc bruto existente de /etc/skel para seu diretório pessoal

cp /etc/skel/.bashrc ~/

Talvez até traga o resto se você não tiver certeza se seu .profile foi alterado também.

cp /etc/skel/.profile ~/

Agora, para que o .bashrc tenha efeito imediato, você pode querer usar a fonte com:

source ~/.bashrc

Se você substituiu seu .profile , será necessário reinicializar para que ele seja efetivado.

    
por Videonauth 21.06.2016 / 23:34
0

Eu tentei as respostas acima, mas por algum motivo meu diretório /etc/skel/ não tinha os arquivos corretos.

Encontrei uma cópia do arquivo ~/.bashrc padrão neste GitHub Gist de Mario Bonales . O script completo é copiado aqui para ser completo.

# ~/.bashrc: executed by bash(1) for non-login shells.
# see /usr/share/doc/bash/examples/startup-files (in the package bash-doc)
# for examples

# If not running interactively, don't do anything
[ -z "$PS1" ] && return

# don't put duplicate lines in the history. See bash(1) for more options
# ... or force ignoredups and ignorespace
HISTCONTROL=ignoredups:ignorespace

# append to the history file, don't overwrite it
shopt -s histappend

# for setting history length see HISTSIZE and HISTFILESIZE in bash(1)
HISTSIZE=1000
HISTFILESIZE=2000

# check the window size after each command and, if necessary,
# update the values of LINES and COLUMNS.
shopt -s checkwinsize

# make less more friendly for non-text input files, see lesspipe(1)
[ -x /usr/bin/lesspipe ] && eval "$(SHELL=/bin/sh lesspipe)"

# set variable identifying the chroot you work in (used in the prompt below)
if [ -z "$debian_chroot" ] && [ -r /etc/debian_chroot ]; then
    debian_chroot=$(cat /etc/debian_chroot)
fi

# set a fancy prompt (non-color, unless we know we "want" color)
case "$TERM" in
    xterm-color) color_prompt=yes;;
esac

# uncomment for a colored prompt, if the terminal has the capability; turned
# off by default to not distract the user: the focus in a terminal window
# should be on the output of commands, not on the prompt
#force_color_prompt=yes

if [ -n "$force_color_prompt" ]; then
    if [ -x /usr/bin/tput ] && tput setaf 1 >&/dev/null; then
    # We have color support; assume it's compliant with Ecma-48
    # (ISO/IEC-6429). (Lack of such support is extremely rare, and such
    # a case would tend to support setf rather than setaf.)
    color_prompt=yes
    else
    color_prompt=
    fi
fi

if [ "$color_prompt" = yes ]; then
    PS1='${debian_chroot:+($debian_chroot)}\[3[01;32m\]\[email protected]\h\[3[00m\]:\[3[01;34m\]\w\[3[00m\]$ '
else
    PS1='${debian_chroot:+($debian_chroot)}\[email protected]\h:\w$ '
fi
unset color_prompt force_color_prompt

# If this is an xterm set the title to [email protected]:dir
case "$TERM" in
xterm*|rxvt*)
    PS1="\[\e]0;${debian_chroot:+($debian_chroot)}\[email protected]\h: \w\a\]$PS1"
    ;;
*)
    ;;
esac

# enable color support of ls and also add handy aliases
if [ -x /usr/bin/dircolors ]; then
    test -r ~/.dircolors && eval "$(dircolors -b ~/.dircolors)" || eval "$(dircolors -b)"
    alias ls='ls --color=auto'
    #alias dir='dir --color=auto'
    #alias vdir='vdir --color=auto'

    alias grep='grep --color=auto'
    alias fgrep='fgrep --color=auto'
    alias egrep='egrep --color=auto'
fi

# some more ls aliases
alias ll='ls -alF'
alias la='ls -A'
alias l='ls -CF'

# Add an "alert" alias for long running commands.  Use like so:
#   sleep 10; alert
alias alert='notify-send --urgency=low -i "$([ $? = 0 ] && echo terminal || echo error)" "$(history|tail -n1|sed -e '\''s/^\s*[0-9]\+\s*//;s/[;&|]\s*alert$//'\'')"'

# Alias definitions.
# You may want to put all your additions into a separate file like
# ~/.bash_aliases, instead of adding them here directly.
# See /usr/share/doc/bash-doc/examples in the bash-doc package.

if [ -f ~/.bash_aliases ]; then
    . ~/.bash_aliases
fi

# enable programmable completion features (you don't need to enable
# this, if it's already enabled in /etc/bash.bashrc and /etc/profile
# sources /etc/bash.bashrc).
if [ -f /etc/bash_completion ] && ! shopt -oq posix; then
    . /etc/bash_completion
fi
    
por MattKelly 07.11.2016 / 17:25

Tags